6 de julho de 2010

Coisas do Destino.

Dia doze de abril, meu sexto aniversário, e eu como uma louca no portão esperando pela vinda de meu mais querido primo. As horas passaram, a festa pronta, convidados presentes, e eu ainda no portão a espera de meu primo, e nada dele chegar. De repente sinto um arrepio e uma voz, pressenti ser algo ruim mesmo sem saber ao certo o que ouvi, corri para dentro, abracei minha mãe e as lágrimas rolaram pelo meu rosto. Ninguém entendia nada, e eu nem ao menos sabia explicar, queria apenas ver meu primo naquele instante.
Todos diziam que ele tinha apenas se atrasado e que logo chegava, mas nada disso me acalmava, eu sabia que algo ruim tinha acontecido, foi a voz quem me disse.
Um tempo depois, não lembro o quanto, o telefone tocou. Do outro lado da linha, segundo minha mãe, era minha tia, estava avisando que um pequeno acidente aconteceu e que meu primo estava sendo levado para hospital naquele momento.
Nunca soube se o que aconteceu foi apenas um “pequeno acidente”, mas o que soube, uns oito anos depois, é que meu primo havia levado quatro tiros e que a caminho do hospital acabou falecendo.
Minha mãe diz que nunca havia me dito tudo aquilo para não me fazer sofrer ainda mais, pois a perda de meu primo foi muito grande para mim, e que se eu soubesse como ele morreu, era capaz do ódio tomar conta de mim. E foi exatamente isso que aconteceu, o ódio tomou conta de mim aos poucos, e minha única vontade era a de ver a tal pessoa morta.
Até hoje não sei o que aconteceu com a tal pessoa, e nem quero mais saber, ele estando longe de mim está ótimo.
E voltando a história, um dia após a morte dele, por motivos que nunca me disseram, partimos da cidade em que morava e fomos para uma bem longe. No começo foi bastante difícil, pois além de deixar minha família, deixei minha primeira melhor amiga.
Ao chegar na nova casa, foi como um espanto, não era nada parecida com minha antiga casa, era num lugar vazio, e como uma casa normal em vista as poucas casas ao redor. Minha sorte foi que morei nesta casa apenas por alguns meses.
E me mudei novamente, dentro da mesma cidade desta vez, agora para uma casa mais decente ao meu modo, era um sobrado, assim como minha antiga casa.
Assim que nos mudamos, comecei a fraquentar a escola que tinha lá perto. E foi nesta escola em que fiz alguns dos amigos que estão em minha vida até hoje, e foi nela também em que amei pela primeira vez.
De certo modo, toda a mudança teve um desfecho bom, pelo menos até agora.
Foram quatro anos, e mais uma mudança, e como da outra vez na mesma cidade, só que desta vez um outro colégio. Nesse fiz ainda mais amigos, só que boa parte deles não vejo mais, e nem é tão interessante assim falar sobre isso.
Foram mais três anos neste colégio até meu reencontro com meus amigos mesmo. O primeiro deles que revi foi o grande amor da minha vida, até então, que durante os três anos sem vê-lo não deixei de amá-lo. Foi maravilhoso abraçá-lo novamente e poder desta vez, passar mais tempo ao seu lado.
Amei este garoto por seis anos e três meses para ser mais exata, e se não fosse por motivos que me deixam super mal e que pretendo não contar aqui, estaríamos juntos até hoje, pois eu o amava mais que tudo, como todos sabem, primeiro amor é o mais puro e sincero.
Por alguns meses cheguei a enlouquecer de tanto que sofri com a grande desilusão. Mas foi com a ajuda dos novos super melhores amigos que consegui superar tudo. Tudo bem que não estou totalmente curada, mas já consigo pronunciar seu nome sem sofrer dano algum e já aprendi até mesmo a amar novamente.
Minha vida hoje é o que eu considero uma vida saudável e feliz, pois tenho os melhores amigos que uma pessoa desejaria ter, tenho o melhor namorado do mundo, tenho uma família que me ama, e tenho ao meu redor pessoas que me respeitam e que sabem como conviver comigo.
Eu sei que minha história não é a das melhores, nem triste e nem alegre, apenas com certas mudanças, mas eu precisava desabafar um pouco, e dividir minha história com alguém.

Disso tudo tirei uma conclusão, as vezes é preciso que aconteça uma tragédia para que seu rumo mude e te leve até seu pote de ouro do outro lado do arco-íris.


P.s.: ainda vou dar uma de detetive e descobrir os verdadeiros motivos que me trouxeram para este novo mundo, e pretendo transcrevê-lo assim como minha história.