4 de janeiro de 2011

Á meu amigo imaginário.

Olá Teddy,
Me peguei sentada atrás do sofá com nossas cartinhas como sempre fazia quando você vinha me visitar, você se lembra? Eu ficava dias sentada ali esperando você chegar para nos divertirmos com suas novas brincadeiras. E quando chegava, eu realmente me emocionava, afinal, você sempre foi meu melhor amigo. As tardes contigo não eram mais tão longas, dávamos muitas risadas e no final eu sempre acabava com o cabelo para o alto.
Nós éramos tão inocentes, crianças felizes, não é verdade? Mas agora me pergunto, onde está você? Será que partiu pelo fato da minha inocência ter se esvaído, dissipado, ou seja qual for a palavra adequada? Estou a alguns meses de completar meus dezessete anos, mas ainda sou aquela criança de seis anos que você conheceu.
Sou aquela menininha assustada, que, mesmo pequena, já tinha problemas demais na família, e que por Deus você apareceu para ajudar, para levar felicidade em meio ao desespero e para amparar e ouvir os desabafos.
Faz sete anos que não olho dentro desses seus olhinhos doces e inocentes. Sinto tanta falta dos seus abraços, da sua risada, dos nossos segredos, brincadeiras e tudo o mais que só nós tínhamos juntos.
Reler aquelas cartas me fizeram perceber que o que eu sentia quando pequena, ainda sinto agora que sou quase uma mulher. Sei que talvez você esteja cuidando e divertindo outras crianças, e isso é maravilhoso, pois eu sei o quanto é ruim não ter alguém para brincar, mas só queria poder te ver novamente. Percebo que por dentro eu sou apenas uma garotinha em busca do seu grande melhor amigo. Gostaria que voltasse a me visitar para que pudesse matar um pouco da saudade, tenho tanta coisa para te contar, são anos de novidades.
Apareça quando quiser e eu estarei aqui sentada, te esperando com bolachas e leite.
Com carinho, sua amiga.

Pauta para Projeto Bloínquês, 25ª Edição Cartas: Amigo Imaginário.

2 comentários:

  1. Nossa, que texto lindo *-* "e tudo o mais que só nós tínhamos juntos."

    Bela escrita, boa sorte no bloìnquês.

    ResponderExcluir
  2. Incrível, gostei bastante.
    Um desabafo tocante.

    ResponderExcluir