27 de janeiro de 2011

Não-querido diário de Izzy pt.3


Domingo, 7 de agosto, 13:41

Acabei de me arrumar para encontrar Mark no parque. Vesti-me como sempre, moletom, calça jeans e all star. Peguei o iPod e meu celular, só falta passar na cozinha e pegar uma latinha de coca-cola antes de sair.
Mark não ligou nem mandou mais nenhuma mensagem, isso quer dizer que ele vai estar lá na hora marcada. E como meu skate ficou na casa do Henri, terei de ir a pé, logo, é melhor é sair agora.
Deseje-me sorte, não sei o que irá acontecer.

Domingo ainda, 18:13

Estou me sentindo muito burra, por dois motivos. Primeiro pelo que falei para Mark, e segundo por não ter levado você junto. Sou muito, muito burra mesmo. Como pude magoar ele daquela forma? Eu não pensei em nada, não pensei nele, em mim, em ninguém. Eu só queria que nada tivesse acontecido. Só queria que Mark não dissesse que gosta de mim de uma maneira diferente de antes. Eu não olhei em seus olhos, eu o decepcionei. Eu perdi sua amizade. Eu perdi tudo!




Mesmo dia, uns quinze minutos depois.

Acho que te devo desculpas por ter apenas falado, falado e falado e não ter contado o que realmente aconteceu. Eu ainda estava nervosa, mas agora me sinto um pouco melhor. Bom, vou começar contando desde a hora que saí de casa.
“Quando terminei de escrever, coloquei você debaixo do travesseiro e fui até a cozinha pegar uma latinha de coca, mas já tinha acabado. Então voltei ao quarto, peguei dinheiro e fui até o mercado. Assim que comprei uma coca fui para o parque me encontrar com Mark. Seriam vinte minutos de caminhada, então coloquei minha playlist favorita para tocar e comecei a caminhada.
“Mark estava sentado sobre o skate, embaixo de uma árvore, com uma latinha de coca na mão e fones no ouvido. Aproximei-me dele, tirando os fones de seus ouvidos e abraçando-o. Ele odeia quando faço isso. Ele sorriu meio tenso e pediu para que me sentasse. Obedeci, e então perguntei o que ele queria conversar comigo. Então ele começou dizendo:
- Izzy, faz mais de três anos que a gente se conhece e você sabe que é minha melhor amiga, não sabe?
- Sei sim Mark – falei. – Você também é meu melhor amigo, quer dizer, você é meu favorito entre o Henri e o Cris.
- Então, você é a garota mais incrível que já conheci. E se tornou a única garota da minha vida. E eu percebi que com o tempo, o que eu sinto por você mudou bastante.
- Como assim mudou Mark? – perguntei, pensando que ele não gostava mais de mim.
- Izzy, me deixe terminar. Por favor.
- Tá bem.
- O que eu sinto por você agora é muito mais que a amizade. Eu acho que te amo. E eu não podia não te contar, porque é pra você que eu conto tudo o que sinto e penso.
- Mark, você tem certeza disso?
- Tenho sim. E eu queria te pedir uma coisa...
- Eu não quero que você fale mais nada. Eu não te amo, okey?
Não deixei que ele terminasse de falar, muito menos de pedir seja lá o que for. Virei as costas para ele, igual à noite anterior quando ele me beijou. Abaixei a cabeça, coloquei meus fones no ouvido e caminhei novamente para casa, só então percebi que não era para casa que eu queria ir. Fiquei apenas caminhando até encontrar uma árvore sob a qual eu pudesse sentar, ouvir minhas músicas, e pensar.”
Eu não estava pensando naquela hora, alguém deve ter possuído meu corpo e respondido por mim, só pode não é? Não, não é. Eu fui idiota, estúpida, maluca e sei lá mais o que. Só sei que eu não deveria ter dito aquilo a ele.
Queria jogar num buraco e não sair de lá nunca mais, só para não ter que olhar para ele e ver naqueles lindos olhos a mágoa que tem de mim.
É, acho que vou ali me matar.

2 comentários:

  1. tadinho dele :x é semata Izzy u.u JKLÇASJDLKJ' n
    amor to amando "Não-querido diário de Izzy" *-*
    mesmo, mesmo *-*

    ResponderExcluir
  2. roendo as unhas para a próxima parte. e por favor Izzy, faça alguma coisa inteligente. KKK

    ResponderExcluir