7 de março de 2017

Eu não sei lidar

Até parece que meu subconsciente sabia que seria hoje. Deve ter pressentido e por isso não parava de martelar O Resto É Nada Mais dentro da cabeça. Escrevo agora, repetindo a música pela vigésima terceira vez. Serei sempre eu, as palavras e o resto é nada mais 
Suas palavras foram como retirar o curativo com força, deixando a ferida exposta. Mas eu tenho uma ferida de cada lugar, e uma a mais não fará tanta diferença assim. Desde o começo eu imaginei que a terra abriria sob meus pés quando esse momento chegasse, só que não foi o caso. Você soube usar as palavras de uma forma que não machucasse tanto assim. Sou grata por isso.  

Vigésima quarta. 

Minhas mãos estão geladas e o corpo tremendo. Pode ser culpa da ansiedade, mas deve ser o ar condicionado ligado. É por isso que eu digo que não sei lidar. Meu corpo me trai, meu coração me trai. É muito mais do que meu peito pode suportar. 

Vigésima quinta. 

Quanto mais os minutos avançam, mais essa angústia toma conta. Paro agora para pensar no dia de hoje e chego à conclusão de que não sofri antes por estar ocupada demais com o trabalho. Só que o fim do expediente está chegando e o desespero vem se aproximando.  
Queria alguém pro universo observar.  

Vigésima sexta. 

Perdi-me na letra. Sonhei que o mar me engolia 

Vigésima sétima. 

Será que há alguém por aí? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário